Agência Fogazza site_porque_seus_anuncios_nao_alcancam-180x180 Por que seus anúncios não alcançam sua audiência total? ads anúncios Blog facebook Marketing Digital Midia Social prova social redes sociais  redes sociais prova social marketing digital instagram FACEBOOK anúncio ads

Por que seus anúncios não alcançam sua audiência total?

A publicidade paga ajuda a potencializar o alcance de sua audiência, possibilitando maiores taxas de conversão e reconhecimento de marca. Porém, como falamos essa semana, os algoritmos do Facebook têm diminuído o alcance orgânico de páginas, forçando o maior investimento em anúncios patrocinados ou até mesmo no investimento em outras soluções de publicidade.

Você já percebeu que as postagens de um ano atrás alcançavam mais pessoas e hoje em dia, é um sacrifício atingir um terço daquela audiência? Toda postagem que você faz agora aparece um botão “Promover” e muitas vezes, você cai nesse “golpe” e investe rios de dinheiro e não converte nada. ☹

Pois bem, hoje vou te ensinar um TRUQUE que otimizará seu investimento em anúncios e ainda possibilitará a melhor segmentação do seu público, além de melhorar sua gestão dos objetivos a serem atingidos com os anúncios (KPI’s).

Essa solução chama-se “GERENCIADOR DE ANÚNCIOS”. É uma plataforma de gestão de anúncios pagos do próprio Facebook, muito similar ao Painel de Anúncios da concorrente Google Ads. Nessa plataforma, é possível criar anúncios segmentados e fazer alterações durante o trajeto, é possível também, escolher o tipo de anúncio a ser vinculado, otimizar o custo por lead e criar formulários de captação de leads dentro do próprio Facebook, analisar todos os dados demográficos, interesses, geolocalização da sua persona, utilização de Pixels que integram com o seu site e de quebra, vincula o anúncio a outras plataformas como o Instagram e a rede de display do Facebook. É uma plataforma completa para anúncios pagos, permitindo a exportação de relatórios e muito mais.

Fuja dos botões “Promover”, conheça essa ferramenta incrível e eleve seus anúncios para um outro nível.

Você tem alguma dúvida sobre como mexer no Gerenciador de Anúncios? Deixe sua dúvida nos comentários abaixo que um de nossos consultores te responderá assim que possível.

Clique aqui e receba todos os nossos conteúdos por e-mail, em primeira mão
Agência Fogazza pexels-photo-106344 Gestão de Campanhas ads anúncios Blog Marketing Digital

Gestão de Campanhas

Agência Fogazza pexels-photo-744464-180x180 Facebook exigirá que os anúncios baseados em problemas sejam rotulados ads anúncios Blog facebook Midia Social prova social  FACEBOOK anúncio ads

Facebook exigirá que os anúncios baseados em problemas sejam rotulados

Escrito por Amanda Zantal-Wiener

Nos últimos meses, o Facebook esteve em uma campanha aparentemente interminável para associar seu nome a uma maior transparência: seus termos, suas políticas de privacidade e como ele aborda e classifica o conteúdo compartilhado em seu site.

Hoje, o  Axios informa que o último conjunto de alterações está chegando: desta vez, na forma de rótulos obrigatórios para anúncios baseados em problemas.

Muito disso começou no último cair,quando foi revelado que a rede social tinha sido armada por atores estrangeiros para espalhar informações falsas e divisivas, na esperança de influenciar a eleição presidencial dos EUA em 2016.

Esse escrutínio só foi aumentado em Marcha,quando  foram feitas revelações sobre a empresa de consultoria Cambridge (agora fechada), que obtinha e alavancava indevidamente dados pessoais de usuários.

Ele foi abordado de várias maneiras, incluindo o CEO Mark Zuckerberg, que testemunhou perante o Congresso por dois dias de audiências consecutivas . E nos dias que antecederam esse testemunho, o Facebook revelou uma série de mudanças reativas, incluindo atualizações em suas políticas de verificação e rotulagem de anúncios.

Um olhar sobre as políticas de anúncios em mudança do Facebook

Onde as mudanças recentes começaram

Em outubro, o Facebook disse que apenas os anunciantes verificados – aqueles que enviaram um documento de identidade emitido pelo governo e forneceram um endereço físico para a empresa – teriam permissão para exibir anúncios eleitorais, como os de um candidato específico concorrendo a um cargo.

Em abril, a empresa disse que esses anúncios também viriam com um rótulo “Anúncio político” , especificando detalhes sobre quem pagou por ele.

Naquele mesmo mês, o Facebook anunciou que esse processo de verificação também se aplica a anúncios relacionados a questões que são frequentemente as maiores fontes de debate durante as eleições. Mas o anúncio não indicou que esses anúncios exigiriam rótulos – ainda não, de qualquer forma.

Novos rótulos para anúncios com base em problemas

Mas, como Axios relata, o Facebook agora planeja lançar essa exigência para anúncios que são baseados em questões altamente contestadas, especialmente durante as temporadas eleitorais.

E embora a verificação dos anunciantes por trás desse conteúdo promovido tenha sido um primeiro passo forte, a rotulação dele poderia se tornar ainda mais imperativa, já que muitos conteúdos baseados em conteúdo de crédito tiveram o maior papel nos esforços mencionados para influenciar as eleições nos EUA.

Quando esta verificação foi anunciada pela primeira vez no mês passado, o Facebook disse que faria parcerias com terceiros para determinar de forma abrangente quais são esses problemas – uma lista que a  Axios diz que inclui tópicos como  controle de armas, políticas de imigração e “valores”.

Transparência Adora Empresa

O relatório vem na esteira de um anúncio do Google na semana passada de que também lançará novas políticas para anúncios eleitorais nos EUA. Isso começaria com um processo de verificação semelhante ao do Facebook, bem como a divulgação futura de um  Transparency Report que aprofundará quem está financiando anúncios eleitorais no Google e o quanto esses indivíduos ou grupos estão gastando com eles.

Os esforços de transparência também incluirão o que o Google chama de “uma biblioteca pesquisável para anúncios eleitorais”, que parece ser similar ao Facebook de anúncios políticos divulgado em abril. Esse arquivo, diz o Facebook, armazenará o texto completo e as imagens de todos os anúncios com o rótulo “Anúncio político”, além do número de impressões recebidas e das informações demográficas sobre o público a que chegou.

É importante notar que o Facebook não foi a única plataforma online a ser usada como arma para a disseminação da desinformação – o Google também enfrentou a mesma quantidade de críticas pela mesma coisa, o que poderia ser uma motivação por trás dessas iniciativas de transparência de anúncios. .

O YouTube, que pertence ao Google, experimentou seus próprios desafios com a disseminação de conteúdo de divisão, que a CEO Susan Wojcicki abordou no SXSW em março.

E o Twitter, que tem sido criticado por funcionar como uma rede repleta de bots de propagação de contendas e bullying, disse que está passando por esforços para abordar, medir e melhorar a saúde de sua plataforma.

Transparência e ética estão reverberando temas em toda a indústria de tecnologia nos últimos tempos. À luz das repercussões experimentadas pelo Facebook nesses vários itens – como desinformação e privacidade de dados -, juntamente com muitos de seus pares no setor, tem se esforçado para fazer declarações ousadas sobre ética.

Na F8 – a conferência anual de desenvolvedores do Facebook realizada na semana passada – a ética ocupou o centro do palco ao discutir determinados tópicos, como o crescimento da  inteligência artificial está forçando os desenvolvedores a lidar com o viés da aprendizagem de máquina, por exemplo.

E na Microsoft Build, ontem, a CEO Satya Nadella deu o tom para a palestra de abertura proclamando logo no início: “A privacidade é um direito humano”.

Muitos esperam que temas semelhantes ecoem em toda a conferência anual de desenvolvedores do Google, a I / O, que começa hoje com uma palestra de abertura às 13h.

Nós estaremos cobrindo a palestra mais tarde hoje, então fique atento para esses desenvolvimentos – e outros que surgem ao longo desta corrente de responsabilidade tecnológica.